terça-feira, 6 de abril de 2021

IRAN: "PERCEBI QUE ALGO MUDOU EM MIM"


Olá pessoal! Meu nome é Iranildo sou de Santa Cruz, interior do Rio grande do Norte, tenho 24 anos e gostaria de contribuir com esse blog sobre homens abusados na infância. 

Irei contar um pouco da minha história e o que tenho vivido atualmente...

Sou filho de pais separados e sou o mais velho entre três irmãos. Tenho outros irmãos por parte de pai, sou de família simples e humilde. 

Tudo começou aos meus sete anos de idade onde houve a primeira tentativa de abuso. Foi pelo filho da vizinha. 

Lembro de uma vizinha que tinha quatro filhos, duas mulheres e dois homens. Geralmente quem mais ficava em casa era o filho mais velho. Esse rapaz que tentou abusar de mim já tinha uma idade entre 17 e 18 anos. 

Numa tarde fui a casa da vizinha, pois gostava de ir lá porque eles me davam café e pão. 

Neste dia, a tarde, só estava o filho mais velho e ele abriu a porta para mim. Fiquei sentado no batente da porta e ele deitou na cama que ficava na sala, pois a casa era pequena. Logo ele pediu para que eu entrasse e escorasse a porta. Em seguida ele baixou o calção e colocou seu órgão genital para fora e pediu para eu fazer sexo oral nele.

Na inocência fui em direção a ele indo fazer o que pedia porém, não cheguei a fazer pois, como a porta só estava escorada um outro rapaz amigo do filho da vizinha entrou na casa e viu a cena. Logo me pediu que fosse para casa e repreendeu o rapaz que tentou abusar de mim. 

Lembro também que foi nessa mesma idade que tive acesso a pornografia e conheci a masturbação, mas isso conto mais a frente.

Após essa tentativa de abuso a vizinha se mudou para outro canto do bairro, mas percebi que algo mudou em mim pois as lembranças daquelas cenas ficaram gravadas na minha mente e eu relembrava todos os dias. 

Nunca contei a ninguém do ocorrido por medo, vergonha e fora que eu era um menino afeminado sofria muito bullying na escola, na vizinhança e dentro de casa.

Após a vizinha se mudar uma outra vizinha veio morar na casa e acabou acontecendo a mesma coisa, só que desta vez o ato chegou a  acontecer. Foi com o primo adolescente dela que a visitava todo dia. 

Não me lembro como começou, mas lembro da passada de mão na minha bunda. Ele me colocava no colo... 

Quando a vizinha não estava em casa ficava só eu e os filhos dela e o primo dela. Esse primo me levou para uma escola e lá ele tentou várias penetrações que, inclusive, machucavam. Esses abusos duraram por muito tempo, mas não me recordo se durou meses ou alguns anos. Essa nova vizinha morou um bom tempo lá. 

Eu me lembro que depois desses abusos despertaram desejos sexuais por meninos e me tornei uma criança sexualizada. Conheci a pornografia e a masturbação! Sempre que eu ia brincar com outras crianças já ia com a intenção maliciosa e pornográfica e cresci assim sempre com o pensamento voltado para o sexo.

Minha adolescência também não foi diferente, tudo que aprendi através dos abusos, foi ver as pessoas como objeto sexual. E descobri a pornografia homossexual. Até então só via a pornografia hétero, focado nos homens, mas a pornografia homossexual atiçou mais ainda meus pensamentos sexualizados. 

Logo percebi na adolescência uma dependência emocional muito grande, fantasias sexuais, autoestima baixa, incapacidade de conquistar meus sonhos, me sinto inferior a outros homens, me sinto depressivo e algumas vezes vem pensamentos suicidas. Troca de humor diário, vício em sexo, pornografia e masturbação. 

Até então tudo que aconteceu comigo eu acreditava que era normal. Via na televisão falar sobre violência sexual contra crianças, mas na minha mente continuava sendo normal tudo o que aconteceu comigo na infância e na minha própria adolescência. 

Fiquei calado até os 18 anos, porém esses conflitos ficaram mais fortes e o assunto sobre violência sexual contra crianças começou a incomodar-me. Foi aí que procurei um psicólogo para me ajudar a entender todos esses conflitos. Tem me ajudado a ter um pouco de paz psicológica.

Hoje estou com 24 anos e ainda sinto esses conflitos, pouco, mas sinto! 

Os vício sexuais, pornografia e masturbação ainda são constates e me prejudicam no meu dia a dia, mas luto para mudar meus pensamentos. 

Tudo isso que me prejudica hoje e que, eu achava normal na minha infância e adolescência, hoje eu desejo que nunca tivesse acontecido. Mas... a vida continua... 

Também procuro na fé um amparo psicológico, emocional e equilíbrio.

Como estão hoje os homens abusados na infância? Iran é um deles! 

Todas as informações deste relato são verídicas, inclusive o nome não foi alterado. 

Iran garantiu que, caso precise, responderá comentários aqui no relato. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

MAIS LIDOS